" /> Cirurgias | CLDO
RESULTADOS DE EXAMES
 

Cirurgias

 

O CLDO e CCO oferecem diversas cirurgias referentes à saúde ocular, sendo realizadas por um corpo clínico ético e profissional altamente capacitado. Nossos serviços são, acima de tudo, humanizados, de modo a respeitar e zelar por nossos pacientes. Pensando no conforto e segurança dos médicos e pacientes, o bloco cirúrgico conta com cadeiras e macas ortopédicas alemãs UFSK, ar-condicionado com pressão positiva do ar, além de microscópio com alta tecnologia 3D para diversas cirurgias e o laser para uso na cirurgia de catarata, transplante de córnea, anel Intraestromal e nas refrativas.

 

1

Antiglaucomatosa

É uma cirurgia que visa drenar e diminuir a pressão intraocular (principal sintoma do glaucoma), evitando lesões graves ao nervo óptico.

É indicado quando não há um controle adequado da doença (glaucoma) com o uso de colírios, ou os mesmos não são tolerados pelo paciente. O procedimento tem como objetivo a redução da pressão intraocular e não a melhora da acuidade visual.

A cirurgia pode ser realizada com auxilio do equipamento Endo Optiks que torna a cirurgia menos invasiva, minimizando o tempo da recuperação cirúrgica.

2

Cirurgia de implante de Intra-estromal

O Ceratocone é uma doença ocular que provoca deformação na superfície da córnea, causando percepção de imagens distorcidas. As alternativas de tratamento de modo geral são avaliadas nesta ordem: óculos, lentes de contato, e cirurgias.

Entre as opções de procedimentos, o Anel Intra-estromal Corneano é um dos mais eficientes.

O anel é colocado no interior da córnea, na camada estromal. É utilizado um colírio anestésico, por isso, o procedimento cirúrgico é indolor e seguro.

Geralmente, a cirurgia dura apenas 15 minutos e o paciente fica acordado durante a realização.

O oftalmologista faz um túnel na córnea. Nesse orifício será implantado o anel. Terminado, é inserido uma lente de contato terapêutica que auxilia na recuperação da córnea. Sete dias depois essa lente pode ser retirada pelo médico.

3

Cirurgia de implante de Anel intraestromal (Femtosegundo)

O Ceratocone é uma doença ocular que provoca deformação na superfície da córnea, causando percepção de imagens distorcidas. As alternativas de tratamento de modo geral são avaliadas nesta ordem: óculos, lentes de contato, e cirurgias.

Entre as opções de procedimentos, o Anel Intraestromal Corneano, é uma das mais eficientes.

O anel é colocado no interior da córnea, na camada estromal. É utilizado um colírio anestésico, por isso, o procedimento cirúrgico é indolor, seguro e de alta precisão.

Geralmente, a cirurgia dura apenas 15 minutos e o paciente fica acordado durante a realização.

O oftalmologista faz um túnel na córnea utilizando um raio laser. O laser fornece total precisão e segurança no procedimento. Nesse orifício será implantado o anel. Terminado, é inserido uma lente de contato terapêutica que auxilia na recuperação da córnea. Sete dias depois essa lente pode ser retirada pelo médico.

4

Cirurgia de Retina e Vítreo (descolamento de retina, membrana epirretiniana, hemorragia vítrea e implante secundário de lente)

A retina é uma fina camada de tecido nervoso sensível à luz e está localizada no interior do olho. É o tecido responsável por transformar a luz em estímulo nervoso e o enviá-lo ao cérebro.

O vítreo é um material gelatinoso que ocupa quase todo o meio intraocular. Quando o vítreo se separa da retina, em alguns olhos, pode haver uma rasgadura da retina e, frequentemente, pequenas e localizadas na região anterior.

Um dos sintomas produzidos por estas roturas são flashes, teias de aranhas e moscas volantes ou o início súbito de pontos flutuantes que devem ser examinados por um oftalmologista. O Médico realizará o procedimento cirúrgico no intuito de aplicar a retina e aspirar o sangue ocasionado pela hemorragia vítrea para se obter uma possível melhora visual.

5

Cirurgia de Pterígio com uso de cola biológica

O pterígio é uma degenerescência da conjuntiva límbica que cresce sobre a superfície da córnea em direção à pupila. Por esta razão, muitas vezes, os doentes referem-se ao pterígio como uma espécie de “carne crescida nos olhos” ou simplesmente, “carne nos olhos”.

O recurso à cirurgia de pterígio apenas deve ser equacionado em determinadas circunstâncias. A cirurgia consiste na remoção ou exérese do pterígio.

A cirurgia, por vezes, utiliza a própria conjuntiva do doente (autotransplante conjuntival) ou membrana amniótica preservada (placenta) para preencher o espaço vazio criado pela remoção do pterígio. Neste procedimento o pterígio é removido e a membrana amniótica ou a conjuntiva é colocada e “suturada” na área afetada (enxerto ou transplante) com a utilização de uma cola biológica.

6

Estrabismo

O tratamento do estrabismo visa melhorar o alinhamento ocular, permitindo que os olhos trabalhem juntos e em sintonia para que a pessoa consiga a visão binocular.

A toxina botulínica, comercialmente conhecida como Botox®, já é usada na oftalmologia há bastante tempo. Ela bloqueia a acetilcolina, o neurotransmissor responsável por levar os sinais elétricos para os músculos, assim o músculo não recebe a mensagem e não contrai mais.

O Botox® é uma boa alternativa no tratamento para alguns casos de estrabismo. Trata-se de uma opção menos invasiva que a cirurgia, que é o método de tratamento convencional.

7

Facectomia por facoemulsificação com implante de lente

Na cirurgia de catarata por facoemulsificação, após retirado todo o córtex e o núcleo cristaliniano procede-se ao implante de uma lente intraocular (LIO) no lugar que, anteriormente, era ocupado pelo cristalino, mais propriamente dentro do saco capsular.

1

Facectomia por facoemulsificação com implante de lente a laser (Lensex)

Na cirurgia de catarata por facoemulsificação, após retirado todo o córtex e o núcleo cristaliniano procede-se ao implante de uma lente intraocular (LIO) no lugar que, anteriormente, era ocupado pelo cristalino, mais propriamente dentro do saco capsular.

Atualmente existe um método mais moderno de cirurgia de catarata a laser, na qual utiliza-se um aparelho a laser de femtosegundo (LenSx®) para realização de algumas etapas da cirurgia (incisões, capsulorrexe, nucleofragmentação) com benefício de dar mais precisão, previsibilidade e reprodutibilidade a cirurgia de catarata.

2

Refrativa Personalizada - Miopia, astigmatismo e hipermetropia

Com base em um mapa individualizado, tridimensional de cada olho (espécie de ” impressão digital do olho” ) gerado pelo aberrômetro, que contém todas as informações sobre o modo como cada pessoa enxerga, o cirurgião prepara um tratamento de correção específico e personalizado para cada paciente.

Depois a aplicação de um colírio anestésico, a cirurgia é feita pelas técnicas PRK ou LASIK, ambas de forma personalizada.

Uma tecnologia de reconhecimento da íris permite que o laser molde a córnea do paciente de acordo com o planejamento inicial, observando suas necessidades e esculpindo-a delicadamente.

3

Refrativa Personalizada a laser (Femtosegundo) - Miopia, astigmatismo e hipermetropia

Com base em um mapa individualizado, tridimensional de cada olho (espécie de ” impressão digital do olho” ) gerado pelo aberrômetro, que contém todas as informações sobre o modo como cada pessoa enxerga, o cirurgião prepara um tratamento de correção específico e personalizado para cada paciente.

Depois a aplicação de um colírio anestésico, a cirurgia é feita pelas técnicas a laser Femton.

Durante o ato cirúrgico, qualquer movimentação do olho é captada por um sistema especial de rastreamento, quando isso acontece, o raio laser se posiciona, automaticamente.

4

Plástica Ocular

A plástica ocular tem como objetivo o restabelecimento do contorno palpebral, melhora da expressão do olhar e da aparência, além de ser reparadora, propondo-se a melhorar alterações de causas genéticas, causadas por traumas ou inflamações ou pelo próprio envelhecimento.

Dentre as alterações mais frequentes que podem ser tratadas destacamos:

- Excesso de pele e bolsas de gordura palpebrais:

Geralmente, aparecem como resultado de tendências hereditárias ou com a idade. Alergia e fumo podem acelerar o envelhecimento das pálpebras e provocar o aparecimento de bolsas relativamente cedo. Podem surgir nas pálpebras superiores ou inferiores ou mesmo em ambas simultaneamente. A correção pode ser reconstrutiva ou cosmética, dependendo da severidade do problema.

- Ptose (pálpebras caídas)

Ocorre quando a pálpebra superior se encontra mais baixa, diferente de sua posição normal. A pálpebra pode cobrir o eixo visual e atrapalhar a visão.

- Entrópio (pálpebras que viram para dentro)

Inversão da borda da pálpebra, levando os cílios a tocarem o bulbo ocular provocando ceratites (lesão na córnea) e dor. O olho afetado desenvolve cicatrizes que podem levar à perda da visão. A correção cirúrgica é recomendada na maioria destes casos.

-Ectrópio (pálpebra que viram para fora)

Eversão da margem palpebral pode levar à exposição da córnea e/ou conjuntiva provocando conjuntivites crônicas, inflamações, ceratites e dor. A cirurgia é indicada para recolocar a pálpebra na posição normal.

- Triquíase

Alteração da direção de um ou mais cílios que encontra-se invertidos e tocando constantemente o globo ocular provocando grande desconforto. Nestes casos o médico pode optar pela epilação (retiradas do cílio fora da posição) ou correção cirúrgica.

- Lagoftalmo Paralítico

Incapacidade de fechamento palpebral completo após paralisia facial temporária ou permanente. Alguns pacientes tem indicação de cirurgia.

- Blefaroespasmo

Contrações palpebrais involuntárias que ocorrem na musculatura periorbicular e que podem provocar uma cegueira funcional devido a impossibilidade de abertura palpebral espontânea. Em alguns destes casos, é indicada a aplicação de Botox.

- Tumores Palpebrais

Podem ser benignos ou malignos e devem ser removidos precocemente com reconstrução local para que não comprometam cirurgicamente a estética ou funcionamento ocular.

- Obstrução de Vias Lacrimais

Podem afetar desde recém-nascidos até idosos, provocando lacrimejamento constante e podendo causar desde conjuntivites crônicas até infecções mais graves das vias lacrimais. Vários procedimentos, incluindo a desobstrução simples ou cirúrgica, são indicados.

- Estética

A estética também é parte da abordagem da plástica Ocular, as cirurgias que removem o excesso de pêlo e as bolsas de gordura ao redor dos olhos podem ser complementadas com a aplicação local da Toxina Botulínica (Botox/Dysport) e o resultado é uma expressão facial mais leve e rejuvenescida como o benefício de se eliminar o peso sobre os olhos.

5

Transplante de Córnea Lamelar

O transplante lamelar anterior profundo é uma técnica pelo qual se retira o estroma corneano, mantendo-se a membrana e o endotélio, que são as camadas mais profundas.

Esta técnica tem as vantagens de recuperação visual mais rápida, risco mínimo de rejeição da córnea doadora e maior tempo de sobrevida do transplante, pelo fato de preservar as células endoteliais do próprio paciente (receptor).

É indicada também para outras patologias situadas na região superficial da córnea.

Outra forma de Transplante Lamelar é o posterior, chamado de transplante de endotélio. Este é o mais novo método de cirurgia avançada de córnea.

6

Transplante de Córnea Dmec

O transplante de córnea com Dmec é uma cirurgia de substituição de uma camada da córnea doente por outra saudável. O diferencial é que nesta técnica não é trocada a córnea inteira, apenas a parte interna e, desse modo, apresenta um tempo de recuperação muito melhor que o transplante tradicional.

É confeccionada uma lamela na profundidade 80-90% (DSAEK) ou retirando da córnea doadora apenas a membrana de Descemet e Endotélio (DMEK). Em ambos os casos a córnea é colocada no olho através de uma incisão mínima e dispensando a necessidade de suturas.

7

Transplante de Córnea a laser

Embora seja uma região muito sensível, o transplante de córnea é o mais realizado no mundo e possui uma alta taxa de sucesso. Ainda mais com o uso do laser.

O transplante de córnea é realizado, geralmente, com anestesia local e pode ser penetrante, lamelar ou endotelial:

Geralmente o paciente fica afastado das suas atividades por aproximadamente 7 dias.